Peixes morrendo no rio São Francisco preocupam população

                                  SURUBIM DE 40 QUILOS ENCONTRADO MORTE NO RIO
JORNAL O TEMPO
Dono há 25 anos de um rancho na cidade de São Francisco, no Norte do Estado, o comerciante Benedito Hermenegildo Moreira, de 49 anos, o Gildo, se assustou com a situação do Velho Chico neste fim de semana. Com o nível muito baixo, o rio já não serve como meio de transporte para muitos barcos e impurezas matam peixes e assustam os pescadores, principais turistas da região.
"Nunca tinha visto ele nesse estado. Cada ano que passa o rio está pior. Achei inclusive um surubim de uns 40 Kg morto na margem, sem falar nos vários outros que vimos descendo no leito do rio", relatou o comerciante, que também é pescador. Assustado, ele resolveu fazer fotos e divulgar, com o objetivo de pressionar as autoridades a tomarem medidas para salvar o principal rio de Minas Gerais.
As imagens foram feitas na região conhecida como Barreira dos Índios, a cerca de 23 km de São Francisco. "O nível está muito baixo, muito assoreado. Até mesmo o pessoal que fiscaliza o meio ambiente encontra dificuldade para percorrer o rio e analisar a situação. O problema dos peixes é que as matrizes, que fazem a manutenção dos peixes da região, estão morrendo e a população vai só diminuindo. Estão dizimando os peixes", contou Gildo.

Os peixes que morrem são os sem escama, que costumam ficar no barro. "Geralmente surubim, cascudo. Mas é uma quantidade muito grande que está morrendo. Tenho recebido muitos relatos dos moradores", falou. João afirma que há anos vem alertando os governos a respeito dos problemas hídricos, mas que pouco é feito. "É um assunto muito sério, mas é culpa da falta de planejamento, falta de reparo e fiscalização das empresas".