terça-feira, 11 de outubro de 2016

JOVEM UNIVERSITÁRIA MORREU MISTERIOSAMENTE NUMA REPÚBLICA EM OURO PRETO

Parentes da universitária Thaís Rufino Sodré, de 19 anos, vão prestar depoimento a partir da segunda-feira na Delegacia de Homicídios de Ouro Preto, na Região Central. Os investigadores querem levantar um perfil da jovem, cujo o corpo foi encontrado no quarto que ela dividia com uma colega do curso de ciências biológicas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). A polícia trabalha com a possibilidade de suicídio, já que Thaís foi encontrada enforcada, com um pano amarrado ao pescoço. A perícia no imóvel, bem como os exames de necrópsia da jovem serão fundamentais para confirmar se é um caso de auto-extermínio ou assassinato. A Polícia Civil não tem previsão de quando os laudos dos exames ficam prontos. 
O corpo de jovem foi encontrado na manhã desta segunda-feira, no apartamento no Bairro Bauxita. A colega dela, ao perceber uma situação suspeita, chamou os policiais militares. A morte da universitária ocorreu às vésperas da tradicional Festa do Doze, em que no feriado de 12 de outubro alunos e ex-alunos da UFOP ser reúnem para beber e festejar nas repúblicas e ruas da cidade.  
A comemoração tradicional ficou marcada de forma trágica em 13 de outubro de 2001, quando a estudante Aline Silveira Soares, de 18 anos, foi encontrada morta, com requintes de crueldade e sinais que apontavam para um ritual de magia negra, num cemitério. 
O corpo da estudante estava nu, com 17 perfurações, sobre um túmulo do cemitério da Igreja de Nossa Senhora das Mercês e Misericórdia. Os braços de Aline estavam abertos e os pés, cruzados, como se ela tivesse sido crucificada. Os assassinos usaram o sangue da vítima para fazer desenhos na vítima. Quatro pessoas chegaram a responder pelo crime, mas foram inocentadas em júri popular. 
No caso de Thaís, a amiga dela voltava de viagem quando se deparou com a porta destrancada e avistou um vulto ao entrar em casa. Com medo, a universitária ligou para a Polícia Militar e só entro no imóvel acompanhada dos militares. Eles então se depararam com o corpo da universitária amarrado pelo pescoço.  
A jovem era da cidade de Ponte Nova, na Região da Zona da Mata. O corpo de Thaís foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Ouro Preto. A Ufop divulgou nota lamentando a morte da jovem que, desde o segundo semestre de 2015, estudava no Instituto de Ciências Biológicas da UFOP. A instituição lamentou o ocorrido e se solidarizou com a família da estudante.
(fonte Jornal EM)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POSTAGEM EM DESTAQUE

Alunos da Creche Gente Inocente retornam às aulas após 15 dias do ataque em Janaúba

Os alunos da Creche Gente Inocente, incendiada pelo vigia  Damião Soares dos Santos , retornaram às aulas na manhã desta quinta-feira (19...