SAMU Macro Norte realiza curso de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

 O curso Implantação da Rede de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral no Norte de Minas – Abordagem e Condutas do AVC foi realizado, no último sábado (25), no auditório da Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro (Escola Normal), em Montes Claros. O curso faz parte do Projeto Madre Teresa de Calcutá e é uma parceria entre o SAMU Macro Norte, o Rotary International e a Santa Casa de Montes Claros e visa levar informação aos profissionais e estudantes da área da saúde acerca dos sintomas e tratamento do AVC.
A diretora executiva do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência do Norte de Minas (Cisrun), Kely Cristina de Moura Lacerda, parabenizou a equipe do SAMU, a iniciativa do Rotary Internacional e a plateia que veio se capacitar. “Talvez esse será o dia mais importante na vida de vocês, pois eu conheço bem essa equipe e sei que  vocês vão aprender muito aqui hoje”, disse orgulhosa.
A governadora assistente do Distrito 4760 do Rotary, Rose Durães, também estava animada com a mobilização – cerca de 600 pessoas compareceram ao evento que teve, inclusive, que ser transferido para um auditório maior em virtude da procura da sociedade. “Um projeto desse porte aconteceu apenas três vezes no mundo, e Montes Claros foi abençoada. Vejo jovens tentando salvar vidas, e isso é um orgulho muito grande para o Rotary”, frisou.
“O AVC é considerado a terceira causa de morte no mundo, e há dois tipos: o isquêmico, que acomete 85% dos casos, e o hemorrágico, que atinge os outros 15%. O AVC isquêmico é quando há a obstrução de uma artéria e falta sangue no cérebro, já o hemorrágico é causado pelo rompimento de uma veia cerebral, ou seja, há sangramento.”, explicou o neurocirurgião Marcílio Monteiro. A doença, que também é conhecida como derrame, é a principal causa de incapacidade permanente, e, por isso, o tempo é determinante para a cura dessas vítimas, segundo Monteiro.
Ubiratam Lopes Correia, o coordenador do Núcleo de Educação Permanente (NEP) do SAMU Macro Norte, falou sobre a importância do SAMU e sua a atuação no Norte de Minas, e que a Rede AVC veio para agregar ainda mais. “Nós somos a maior região da saúde em Minas Gerais, são mais de 122 mil km². Uma área que chega a ser maior que alguns países, e a expectativa é de treinar cerca de cinco mil pessoas com a implantação desse projeto”, afirmou.
“O mais comum é o paciente apresentar sequelas. As mais frequentes estão a dificuldade na fala e a paralisação de um lado do corpo.”, contou o coordenador do NEP. “Ter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos são dicas importantes para evitar o AVC”, acrescentou.
O coordenador médico do SAMU, Daniel Ramos, falou sobre o protocolo de intervenção e destacou a importância do treinamento para a execução de um trabalho de excelência. “A grande diferença está no treinamento, pois são pequenos detalhes que fazem a diferença.” Durante a palestra, Ramos contou uma experiência vivida enquanto médico socorrista em uma corrida de Fórmula 1 que demonstrou a importância de repetir o mesmo processo por diversas vezes para buscar a perfeição.
Ao final do treinamento, houve uma dinâmica com a participação da plateia. Os presentes puderam colocar em prática o que aprenderam durante a capacitação através de um teatro, onde mostraram como identificar e se portar diante uma vítima do AVC.
Jane Felix

Comentários