PREFEITURA DE ITACARAMBI E GRS/JANUÁRIA PROMOVEM CURSO DE CAPACITAÇÃO SOBRE LEISHMANIOSE PARA AGENTES DE VIGILÂNCIA AMBIENTAL

A Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Itacarambi, Coordenadoria de Vigilância Ambiental e Gerência Regional de Saúde de Januária promoveram na manhã desta terça-feira (11/04), promoveram um Curso de capacitação sobre a vigilância da leishmaniose visceral para cerca de 16 Agentes de combates a endemias que atuam no município de Itacarambi, e quem tem como base a GRS como órgão fiscalizador.
O Curso de Capacitação aconteceu no auditório do Ambulatório Central. Estiveram ministrando o curso, os técnicos da GRS, Givaldo Gomes Menezes (referência técnica da Leishmaniose), Antônio Antunes da Mota (Referência da doença de Chaga) e David de Souza.
O Coordenador da Vigilância Ambiental, Antônio Ferreira dos Anjos, também acompanhou os agentes no decorrer do curso. O palestrante, Givaldo falou que a cidade de Itacarambi está em estado de alerta devido alguns casos ocorrido no município nos últimos anos. Disse ainda que em 2011 houve dois casos, em 2015 oito, em 2016, 12 casos em 2017 três casos. Falou ainda que não é só em Itacarambi, mas em todo o Estado de Minas.
Finalizou, dizendo que os agentes tem que ficar em alerta geral.
A leishmaniose visceral é doença grave, causada pelo protozoário Leishmania chagasi, que é transmitida principalmente pela picada do mosquito-palha. Embora a doença atinja principalmente cães, seres humanos também podem ser infectados, acidentalmente, pela picada do inseto. O mosquito-palha se contamina picando um cão infectado. A doença não é contagiosa. Não é transmitida diretamente de uma pessoa para outra, nem dos cães para as pessoas. A transmissão do parasita ocorre pela picada da fêmea do mosquito-palha. Não há vacina contra leishmaniose visceral, doença que pode ser curada em humanos, mas não em animais.
Leishmaniose visceral humana – pessoas que apresentem febre persistente, principalmente aquelas que viajaram ou que residam próximo de casos confirmados de leishmaniose canina devem ser levadas à unidade de saúde mais próxima da residência, para acompanhamento e providências. A medicação é fornecida pelo poder público após confirmação da doença.
Leishmaniose visceral canina – É doença que exige notificação dos serviços veterinários à Equipe de Vigilância de População Animal da Secretaria Municipal de Saúde. Entre os sintomas estão emagrecimento progressivo, feridas e descamações de pele, queda anormal de pelo aparecimento de ínguas, crescimento anormal das unhas, inchaço de pernas, sangramento de nariz, entre outros. Caso seu cão apresente sintomas, procure um serviço veterinário e informe a existência de caso confirmado da doença próximo à sua residência.
A intenção do encontro foi de difundir conhecimento para que os agentes, presentes no dia a dia nos territórios, tenham capacidade de identificar cães com possíveis sintomas da doença e orientar as comunidades para dirimir problemas relacionados à manutenção de áreas externas, como pátios, terrenos, vias.
Por Vailton Ferreira