O juiz Sérgio Moro condena o ex-ministro Antonio Palocci a 12 anos e 2 meses de reclusão

Resultado de imagem para FOTO JUIZ MORO
O juiz Sérgio Moro acaba de condenar o ex-ministro Antonio Palocci a 12 anos e 2 meses de reclusão por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O ex-ministro foi preso na 35ª fase da operação, em 26 de setembro de 2016. Palocci está preso no Paraná. 
ABSOLVIDO
Branislav Kontic, ex-assessor de Palocci, foi absolvido dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro – por falta de prova de autoria ou participação.
NEGOCIA
Palocci foi acusado de participação em esquema envolvendo a empreiteira Odebrecht e os contratos de sondas com a Petrobras. O ex-ministro negocia acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato.
SENTENÇA
Moro disse na sentença que a prática do crime envolveu o pagamento de US$ 10,2 milhões, "o que é um valor bastante expressivo". "Além disso, o crime insere-se em um contexto mais amplo, revelado nestes mesmos autos, de uma conta corrente geral de propinas com acertos de até R$ 200 milhões." 
FRAUDE
Moro acrescenta que os valores "serviram para remunerar, sem registro, serviços prestados em campanhas eleitorais, o que representa fraude equivalente em prestações de contas eleitorais". E acrescentou: "A contaminação com recursos do crime do processo político democrático é o elemento mais reprovável do esquema criminoso da Petrobras".
ENORME
Para Moro, a culpabilidade de Palocci é "elevada" porque agiu como ministro-chefe da Casa Civil do governo Dilma, "um dos cargos mais importantes e elevados na administração pública federal". E enfatizou: "A responsabilidade de um Ministro de Estado é enorme e, por conseguinte, também a sua culpabilidade quando pratica crimes.(AGENCIA DE NOTICIAS)