AMAMS reivindica recuperação dos Canais de Irrigação dos Projetos Gorutuba e Jaíba

Foto: Reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo da Sudene 

O presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene – AMAMS, solicitou à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e Ministério da Integração a recuperação dos canais de irrigação dos projetos Gorutuba e Jaíba, no Norte de Minas. O pleito foi apresentado ontem, em Brasília, durante três audiências onde o presidente da AMAMS e prefeito de Bonito de Minas, José Reis, apresentou as demandas. A AMAMS foi acionada pelos prefeitos Juraci Fagundes Jacome e Reginaldo Antonio Silva, de Nova Porteirinha e Jaíba, em favor dessas duas demandas.
A primeira articulação da AMAMS foi feita na Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, com o argumento de que a precariedade dos canais de irrigação comprometeria além da irrigação, o abastecimento de água na região. O secretário nacional Renato Newton Ramiow mostrou que atualmente não existe rubrica orçamentária para o caso especifico do Projeto Jaíba, que exige investimentos de R$ 4,905 milhões. Porém, ele pediu ao presidente da AMAMS, José Reis que aguardasse alguns entendimentos que estão sendo realizados em Brasília.
Depois, o presidente da AMAMS se reuniu com Luiz Napoleão Casado Arnaud Neto, diretor de Gestão e Empreendedorismo de Irrigação da Codevasf e que está respondendo pela presidência da empresa federal, quando apresentou o pedido formulado pelo prefeito Juraci Fagundes Jacome, de Nova Porteirinha, para reinicio das obras de substituição dos canais por tubulação do Projeto Gorutuba, cujos serviços foram iniciados em 2015, mas foram paralisadas faz um ano. Com essa obra, se economizará 35% da água consumida no projeto, com a redução sendo por acabar o desperdício e evaporação, além de precisão na distribuição da água.
O dirigente da Codevasf explicou que até a semana que vem a empresa federal tomará a decisão, se fará a licitação integral para a obra, envolvendo o contrato remanescente e os novos adendos; ou se fará uma licitação parcial, ou seja, que a empresa retome os serviços paralisados, depois de feitos os ajustes, enquanto se abre nova licitação para os novos serviços demandados. Luiz Napoleão Casado Arnaud Neto pediu a AMAMS para esperar essa definição, pois o ministro Helder Barbalho, da Integração Nacional e a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, quando vieram a sede da AMAMS em Montes Claros, assumiram esse compromisso com os prefeitos e ele será honrado.
No caso do Projeto Jaíba, o presidente José Reis apresentou a demanda levantada pelo prefeito de Jaíba, Reginaldo Antônio da Silva, para que seja feita a limpeza do canal de chamada do Distrito de Irrigação, que transporta a água do rio São Francisco para a Estação Elevatória, que a bombeia para o canal de irrigação. A seca prolongada e a pouca vazão do rio São Francisco fizeram com que os sedimentos do fundo do canal dificultassem a passagem da água. Também foi pedida a reforma do canal principal, para acaba com os pontos de vazamentos e infiltrações. Isso compromete a liberação da água e pode obrigar os irrigantes a suspenderem suas atividades.
A AMAMS mostrou ao diretor Luiz Napoleão Neto, que além da irrigação, esse serviço assegurará o abastecimento de água para 50.000 pessoas do município de Jaíba, mas foi informado que existe necessidade de procurar outras opções de alocar verbas. Ontem a tarde o presidente da AMAMS, José Reis participou também de reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo da Sudene, quando pediu a ajuda para a situação de Jaíba. A última tentativa da AMAMS será mobilizar os deputados federais votados no Norte de Minas para eles assegurarem esse recurso na negociação que está sendo realizada com o presidente Michel Temer.
 
ASCOM-AMAMS
 

Comentários