SINDICATO DOS PRODUTORES RURAIS DE ITACARAMBI RECEBE ESCRITURA DE DOAÇÃO DO TERRENO DAS MÃOS DA PREFEITURA

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itacarambi teve uma surpresa na noite deste domingo(30), quando comemorava o Dia do Trabalhador Rural, quando a Prefeita Dra. Nívea Maria chegou ao evento com um documento em mãos. Era a ESCRITURA DE DOAÇÃO do terreno do Sindicato que estava esperando há muitos anos.
A prefeita que estava acompanhada dos vereadores, Fernandão do Som, Dimas Brasileiro, Buguinha e Bertão da Telemar, do vice-prefeito ,Wilson Luiz e do Secretário de Administração Wendel Almeida, aproximaram até José Luiz, presidente do Sindicato e anunciou que a prefeitura estaria ali para anunciar que estava entregando em mãos a Escritura definitiva de doação do terreno. Zé Luiz ficou contente e anunciou para todos os associados. ’’Acabamos de vencer uma luta’. Falou o presidente.
A prefeita fez questão de entregar o documento, falando para mais de trezentas pessoas que a escritura de doação está entregue e que o terreno doado pela prefeitura está agora legalizado por lei. Depois dos eventos, o cantor Santana do Candeal animou a festa tocando um forró animado. 
Entenda o caso

Em 2012, o então ex-prefeito Rudimar Barbosa tinha doado o terreno para o Sindicato dos trabalhadores Rurais de Itacarambi, construir a sede própria. Passando dois anos, o sindicato resolveu começar as obras através de mutirão, mas não conseguiu ir adiante porque o outro gestor, assim que assumiu a prefeitura resolveu embargar a obra alegando que o termo de doação, não valia mais, porque já tinha passado os dois anos, tempo que deveria ter construído o prédio do sindicato.
Uma luta foi travada entre os trabalhadores rurais e a gestão anterior, o presidente José Luiz resolveu sair às ruas com carro de som, alegando que o prefeito estaria com perseguição, usando uma forma de derrubar o projeto que já se encontrava em pé, a reinvindicação  acabou indo parar na justiça. Finalmente o sindicato acabou tendo autorização para construir o prédio. Mas o documento que legalizava a construção definitiva do imóvel não estava regularizado. Segundo o presidente do sindicato, na época em que estava construindo o muro, um trator da prefeitura chegou ao local e derrubou tudo, a mando do prefeito, para ele isso foi um ato inaceitável, porque naquele momento, o serviço estava sendo realizado por pessoas associados e que trabalhavam voluntariamente.
Enfim, conseguiu construir o prédio próprio mesmo sem condições financeiras, mas com ajuda dos associados o prédio está funcionando, mas precisa o acabamento como instalação de piso, construção de salas para atender com mais conforto os associados. Daqui para frente o sindicato está regularizado e sem perseguição. Informou Zé Luiz.
Por Vailton Ferreira