Prefeitura de Itacarambi aciona ex-prefeito e mais três pessoas para reaver cerca de R$ 100 mil desviados de contas bancárias

A Prefeitura de Itacarambi acionou o ex-prefeito Ramon Campos Cardoso (PDT), foto, o contador Ricardo Teixeira de Almeida, mais duas servidoras públicas, para tentar reaver cerca de R$ 100 mil desviados de diversas contas bancárias do município. Entre 2013 e 2016, o rombo atingiu R$ R$ 97.400,83. O contador chegou a devolver R$ 10.902,96, mas parou aí.
O desvio do dinheiro das contas da Prefeitura para a conta do contador foi realizado eletronicamente, através de transferência direta conta a conta, mediante o uso de duas senhas, uma fornecida pelo banco a uma funcionária da tesouraria, E. R. dos S, e outra fornecida ao ex-prefeito.
Outra servidora, Z. M. O, também é ré na ação judicial. Segundo a servidora E. R. dos S, durante os períodos em que Z. M. O a substituiu por motivo de férias ou licenças, ela também teria efetuado transferências de dinheiro das contas da Prefeitura para a conta pessoal do contador Ricardo Teixeira de Almeida.
O ex-prefeito Ramon Campos Cardoso nega sua participação em qualquer irregularidade. Ele culpa as servidoras pelas transferências eletrônicas ilegais. Ele admite que repassou sua senha para a tesoureira E. R. dos S e, com isso, ela passou a ter a posse das duas senhas necessárias para realizar as operações.
Por medida de segurança, todos os pagamentos eletrônicos só podem ser realizados com a introdução das duas senhas no sistema do banco.
A servidora Z. M. O também nega sua participação em qualquer ato ilícito e diz que não fez transferências para a conta bancária do contador. Já a servidora E. R. dos S disse que a realização de todas as transferências era decidida em reuniões do ex-prefeito com o contador e que ela apenas cumpria as ordens para realizar o procedimento. Ela alega que não sabia que essas transferências eram ilícitas, porque eram decididas pelo ex-prefeito e pelo contador.
O contador Ricardo Teixera de Almeida não foi localizado para comentar o assunto.
No dia 24 de novembro de 2016, faltando um mês para deixar o cargo, o ex-prefeito determinou que o procurador jurídico Roberto Lima Neves ajuizasse ação de cobrança contra Ricardo Teixeira. Os desvios vinham ocorrendo desde 2013, primeiro ano de sua gestão. A ação deixou de fora os nomes do ex-prefeito e das duas servidoras públicas, os quais só foram incluídos nos processos em 2017.

Processos nº 0076738-47.2016.8.13.0352 e 0078336-02.2017.8.13.0352

Comentários