Servidores da rede estadual de educação bloqueiam a BR-251, em Montes Claros

Servidores da Rede Estadual de Educação bloquearam a BR-251, em Montes Claros. (Foto: Alexandre Nobre/Inter Tv)
Servidores da rede estadual bloquearam a BR-251 em Montes Claros, no início da manhã desta terça-feira (27). De acordo com o Diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (SindUte), Célio Gonçalves Moreira, os profissionais cobram pelo cumprimento do acordo firmado sobre o piso salarial e protestam contra a reforma da previdência. A rodovia ficou bloqueada por duas horas no km 523 e os manifestantes incendiaram pneus.
"Nós queremos dialogar com o Estado. Não estamos aqui para cobrar reajuste de salário. O que queremos é o cumprimento do acordo do piso salarial profissional nacional firmado em 2015; é este o nosso objetivo e de várias outras manifestações que acontecem no restante do Estado. Depois de três anos, em 2018, é que teremos o valor integral do piso. Então, estamos reivindicamos o que é de direito", explicou. Os servidores estavam em dois ônibus e seguravam faixas.
O bloqueio aconteceu das 6h às 8h e houve congestionamento nos dois sentidos da pista de aproximadamente 10 km. O Corpo de Bombeiros e as polícias rodoviária federal e militar estiveram no local. Os manifestantes informaram que continuariam a manifestação na Praça da Estação, ainda na manhã desta terça.
"Teremos uma atividade para dialogar com a comunidade para todos entenderem e conhecerem a realidade da educação no Norte de Minas", complementou. Os professores da rede estadual estão em greve desde o dia 8 de março e decidiram manter a paralisação em assembleia realizada no último dia 22.
O que diz o estado
Em nota, a Secretaria de Estado de educação informou que o governo se empenhou nas últimas semanas na busca de uma conciliação com Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (SindUTE) e foram realizadas duas reuniões com a mediação do Ministério Público e da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.
Ainda segundo a nota, foi acatado o parecer da Promotoria da Educação apresentado na reunião que considerou que pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Governo de fato está impedido de conceder reajustes aos trabalhadores por ter ultrapassado os limites estabelecidos pela LRF.
“Esse ponto, aliado às dificuldades orçamentário-financeiras enfrentadas pelo Estado, já havia sido apresentado em diversas ocasiões ao SindUTE como sendo o principal empecilho para a concessão dos reajustes do Piso neste momento. Os representantes do Governo salientaram que o pagamento do Piso Nacional é um ponto de entendimento entre o Sindicato e o Governo e que a discussão neste momento é quando será possível pagá-lo conforme o acordo fechado com a categoria em 2015”, diz.

A secretaria informou que os trabalhadores rejeitaram os itens do termo de conciliação elaborado com o Ministério Público e decidiram dar continuidade à greve. O Governo de Minas Gerais está avaliando quais medidas serão tomadas.(g1 grande minas)

Comentários