Assaltantes fazem ‘arrastão’ em ônibus de estudantes na rodovia MGC-135, perto de Mirabela

Assaltantes atiraram contra o ônibus após o roubo (Foto: Associação de Alunos de Januária/Divulgação)
Um ônibus que leva diariamente estudantes universitários de Januária para Montes Claros, no Norte de Minas, foi assaltado na madrugada desta terça-feira (17) próximo a Mirabela, município que fica entre as duas cidades. De acordo com a Polícia Rodoviária Militar, quatro criminosos, armados, aproveitaram a desaceleração do veículo, provocada por um quebra-molas na MGC-135, para render o motorista e invadir o ônibus, que transportava cerca de 35 alunos da Associação de Transporte dos Estudantes de Januária.
Um motorista que faz a linha Januária-Montes Claros, que preferiu não se identificar, informou ao G1 que um dos criminosos usou uma espingarda polveira para ameaçar o grupo e que chegou a disparar a arma para amedrontar os alunos. O carro que o grupo usou para praticar o assalto, segundo o motorista do ônibus, ficou escondido em um matagal às margens da pista. Dois homens ficaram do lado de fora do veículo, enquanto um casal recolheu os pertences dos passageiros fazendo ameaças.
“Os bandidos falavam o tempo todo que iam matar os alunos, que se tivesse alguma polícia no ônibus eles iriam atirar. Depois de gritarem muito, ameaçarem o máximo que puderam, eles saíram e ainda atiraram contra os faróis do ônibus. Eu nunca tinha passado por isso, e foi a primeira vez que ouvi falar de coisas assim próximo a Mirabela”, conta o condutor.
A Polícia Rodoviária Militar de Mirabela informou que recebeu denúncias de vários estudantes, mas que o boletim de ocorrência não foi registrado até a tarde desta terça-feira; a polícia também não informou a quantidade de pertences roubados na ação. “Por conta do número grande de vítimas, ainda não conseguimos registrar tudo. O veículo foi para Januária e ainda não compareceu a Mirabela. De qualquer modo, estamos investigando e já temos suspeitas de que o grupo seja de pessoas conhecidas na região”, afirma o soldado Adriano Miler.

Por g1 grande minas.

Comentários